O Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos é um dos pilares do conjunto de políticas públicas criado para atender principalmente crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade no Brasil. Saiba em ele consiste e como trabalha a questão dos vínculos familiares nesse conteúdo da IAM.

O Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV) é complementar a outras ações e serviços oferecidos pelo sistema público de assistência social no país. O SCFV é responsável por realizar medidas que visam fortalecer os vínculos familiares e comunitários. Os destinatários preferenciais dessas ações são crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade.

São exemplos de objetivos do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos: prevenir situações de risco social, assegurar o direito à convivência familiar e comunitária, combater a segregação social, promover acessos a benefícios e serviços essenciais, entre outros.

 

Como o Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos atua na prática?

Para conseguir alcançar os objetivos enumerados acima, o Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos executa ações e atividades que:

– Viabilizem trocas culturais;

– Trabalhem a questão da identidade;

– Proporcionem uma troca de experiências e vivências entre as famílias a fim de fortalecer vínculos familiares e sociais;

– Incentivem a participação social;

– Estimulem o sentimento de pertencimento;

– Etc.

O Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos presta atendimento em grupos que são organizados de acordo com a faixa etária das pessoas. Ele oferta atividades artísticas, de lazer, culturais e esportivas. Cabe ressaltar ainda que a atuação do SCFV é baseada na escuta ativa e num diálogo aberto e transparente para dar o melhor acolhimento possível. É fundamental que a pessoa sinta que as suas necessidades são levadas em consideração.

Infelizmente, as crianças e adolescentes que são atendidos pelo Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos geralmente são as que mais sentem as consequências da profunda desigualdade social no Brasil que foi agravada pela pandemia. Essa parcela mais vulnerável da população e que está apenas no início da vida sofre com a falta de acesso à cultura, lazer e educação de qualidade, pobreza, falta de vínculos afetivos na família, a não vivência da infância, alimentação inadequada, entre outros aspectos que formam um cenário de completa exclusão.

Como o Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos não possui uma rede capaz de atender a esse grande contingente de crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade por todo o país, muitas Organizações da Sociedade Civil (OSC) como a IAM realizam projetos para mitigar esses efeitos da desigualdade social. Você já conhece o nosso trabalho? Temos mais de 40 anos de trajetória em São Paulo! Clique aqui para saber mais o que fazemos em nosso dia a dia e aproveite para deixar a sua doação!